5 erros comuns a evitar numa candidatura de emprego

5 erros comuns a evitar numa candidatura de emprego

[parceria]

Nº 1: O seu CV e carta de apresentação não são a mesma coisa

Vamos começar pelos erros básicos!

Não é suposto a sua carta de apresentação ser uma versão mais longa do seu currículo.

Sabia que em média, um recrutador gasta cerca de 60 segundos a olhar para a sua carta de apresentação e currículo?

Portanto, não desperdice o tempo dele (e o seu) ao repetir o que já foi dito no seu CV.

Enquanto que o seu CV deve listar o histórico da sua carreira profissional (detalhes sobre as funções que já exerceu e sobre empresas onde já trabalhou), a sua carta de apresentação deve ilustrar como é que as suas experiências correspondem aos requisitos de emprego ao qual se está a candidatar. Que tarefas em específico levou a cabo? As suas funções anteriores enquadram-se no emprego para o qual se está a candidatar? Que responsabilidades teve nos seus empregos anteriores?

Aconselhamos a usar alguma ajuda de especialistas na criação de CVs. Há muitos websites que oferecem assistência grátis ou profissional, como por exemplo o cvmaker.com para criar CVs em inglês ou em outros idiomas.

Pode ainda utilizar um dos nossos modelos de currículos e cartas de apresentação, totalmente editáveis e personalizáveis em Word. Veja AQUI.

 

Nº 2: É uma carta de apresentação, não uma autobiografia

Tendo em conta que um recrutador gasta 60 segundos na sua candidatura, é necessário que esta seja sucinta, objetiva e cativante.

A sua carta de apresentação não deve ser um espaço para informações pessoais desnecessárias, detalhes sobre competências que são irrelevantes para o emprego para o qual se está a candidatar, ou explicar demasiado porque é que fez, por exemplo, um ano de intervalo depois da Universidade, ou porque esteve um determinado período de tempo sem trabalhar.

Leia os requisitos do anúncio de emprego cuidadosamente. O que escrever na carta de apresentação deve estar enquadrado na maioria desses requisitos.

Evite repetir-se!

A sua carta de apresentação não deve ser, geralmente, mais longa do que uma página (a não ser que lhe tenham dito o contrário) e esse é também definitivamente o tamanho certo para o CV. Mantenha o seu CV com apenas uma página ou use duas páginas se incluir mais detalhes, mas nunca mais do que isso.

Se os candidatos evitarem expressões ou palavras que são “clichés”, ou seja, que todos dizem, como por exemplo: sou entusiasta, determinado, tenho muita vontade de trabalhar, etc., podem reduzir a contagem de palavras na sua carta de apresentação significativamente.

Use o seu espaço para “vender” as suas experiências profissionais com exemplos fortes e casos práticos que suportem tudo o que diz ser.

 

Nº 3: Siga as instruções

Esta dica é muito importante!

Certifique-se que lê os anúncios de emprego cuidadosamente e que segue todas as instruções. Muitos recrutadores têm em consideração detalhes que podem parecer insignificantes, mas não são!

Obviamente, detalhes relativos à sua experiência profissional são de extrema importância, mas há ainda pequenos detalhes a ter em atenção, tais como: quando é que começou a trabalhar, expectativas de salário, ou simplesmente o tamanho de letra que deve usar na sua candidatura. Não ignore ou exclua informações que lhe são pedidas. Fazê-lo vai mostrar que não presta atenção aos detalhes.

Ainda relativamente a este ponto, tenha igualmente atenção para não ultrapassar uma página quando o anúncio lhe pede especificamente para não o fazer.

Outras dicas relevantes:

  • Não envie a sua candidatura para um endereço de e-mail diferente daquele que está especificado no anúncio de emprego.
  • Não envie um e-mail ao recrutador a fazer perguntas se a resposta já estiver no anúncio.
  • E, claro, não trate a organização/empresa pelo nome errado (ficaria surpreendido se lhe dissesse a quantidade de vezes que isso acontece).

 

Nº 4: O super fã

Este ponto pode ser complicado!

É claro que os recrutadores querem sempre saber porque é que quer trabalhar na empresa e o que é que o torna o candidato ideal para aquele cargo em especifico. Mas não exagere nos elogios!

Sim, todos nós temos uma lista de empregos de sonho e, sim, às vezes estivemos toda a nossa vida à espera de uma oportunidade naquela empresa específica. Mas tem de encontrar uma forma de se destacar sem que isso pareça demasiado elogioso do seu lado.

É importante ilustrar porque é que aquela empresa em específico é adequada para si, mas faça isso através dos seus interesses e experiências, em vez de escrever uma quantidade de elogios “clichés”.

 

Nº 5: Abrace a Era Digital

Há tantas ferramentas (grátis) fantásticas por aí para o ajudar a destacar-se enquanto candidato.

Ter uma presença digital forte está a tornar-se essencial nos dias de hoje. Por isso, precisa de se atualizar e começar, por exemplo, por criar um perfil do LinkedIn. Se já tem um perfil criado, então mantenha-o atualizado o mais possível.

Ter a carta de apresentação e CV perfeitos não significa que se vai destacar se mantiver um perfil no LinkedIn incompleto. Se o recrutador for alguém que prefere uma rápida pesquisa pelo LinkedIn, um perfil desatualizado pode custar-lhe uma entrevista.

Mas para além do LinkedIn, use sites como o Wix, WordPress e Canva para desenvolver o seu portefólio online. Para além de lhe permitir mostrar toda sua experiência profissional de uma forma visualmente mais atrativa, também dá aos recrutadores “algo novo”, “algo diferente” do que estão habitados a ver, pois a maioria das cartas de apresentação são baseadas em texto.

A Era Digital está aqui! E tudo está a adaptar-se a ela, até os processos de recrutamento.

Enquanto melhora a sua marca pessoal e cria a sua presença online, poderá ainda ter interesse em começar a procurar dicas sobre como tornar uma candidatura em vídeo fantástica. Esta é uma direção que cada vez mais candidatos estão a seguir nos dias de hoje.

Este site utiliza cookies para permitir uma melhor experiência por parte do utilizador. Veja aqui a nossa Política de Privacidade.